A Guinada: Maneiras Simples de Operar Grandes Transformações, o novo livro dos irmãos Chip e Dan Heath, abre com uma analogia muito interessante sobre as duas forças que, aparentemente, governam as ações humanas: Razão e Emoção.

A comparação – cujo autor original é Jonathan Hadt, professor da Universidade da Virgínia – relaciona a Emoção a um Elefante, e a Razão ao seu Domador1. A analogia é bastante ilustrativa pois são suas forças que precisam operar em conjunto, pois o controle que a Razão exerce sobre a Emoção é reconhecidamente frágil.

elefante e domador

Será que o domador controla o elefante?

Pesquisas recentes, usando a moderna tecnologia da ressonância magnética, apontam áreas do cérebro envolvidas na Emoção trabalhando durante tomadas de decisão. O que até pouco tempo atrás acreditou-se ser uma tarefa essencialmente racional, hoje já se sabe que recebe grande influência emocional.

Pacientes neurológicos que sofrem danos nas partes do cérebro responsáveis por algumas emoções, tornam-se absolutamente incapazes de tomar decisões simples, embora seu lado racional continue intacto2. Assim, ambas as forças, Razão e Emoção, precisam estar presentes e alinhadas para uma correta tomada de decisão – assim como Elefante e Domador precisam concordar sobre aonde ir.

Outro ponto feliz da analogia é que o Elefante/Emoção é a grande força motriz por trás de nossos atos. A maioria de nós alcança suas maiores realizações quando motivados por algum sentimento. Mas também é por causa dos Elefantes desgovernados que acontecem verdadeiros desastres. Nestes casos, no entanto, o Domador pode fazer muito pouco para controlar uma fera de seis toneladas.

Assim, ao buscar objetivos que realmente demandem um esforço considerável de nossa parte, devemos buscar a maneira correta de motivar o Elefante que temos dentro de nós, ao mesmo tempo em que preparamos o Domador, com informações e análises adequadas, para guiar o caminho.

____________________

1. O termo em inglês usado é rider, aquele sujeito que monta o animal, mas não faz muito sentido em falar de jóquei de Elefante, não é mesmo? Por isso preferi Domador.

2. Antonio Damasio descreve alguns casos muito interessantes em Descartes’ Error: Emotion, Reason, and the Human Brain.